quarta-feira, 23 de setembro de 2009

paraíso perigoso

No meio de tudo, você.O cara que aparecia raras vezes e nem ligava para as minhas atuações duvidosas, na real, nunca notei aproximações, olhares, aquelas segundas intenções típicas de quem quer algo a mais.Mas aquela noite, você se vestiu de sei-la-o-quê e me enfeitiçou.Feito fogo-fátuo brilhamos demais,e nos apagamos ao mesmo tempo, essas coisas de paixão não há quem não note.descabidamente nos desejamos, como quem se desejasse tal qual a uma vida atrás, sem ter se dado conta disso, e magoamos a quem nos pedisse um não-amor, um não-desejo.Coisas desse tipo só acontecem uma vez, e deixam vestígios pra sempre.Essa anulação que me suplicam, é pra um crer-fingir que não ando desatinadamente, que tenho limites.
Que nada, eu sei que limites não tenho.O que tenho é pouco, mas suficiente pra às vezes me controlar, cair na real e partir pra outra muito melhor, não sei qual o nome desse pouco-suficiente, deve ser um bloqueio, e assim finjo que tá tudo bem, que não tenho vícios&vícios, e me serve de muito essa recriação mental.Quase como se fosse duas, sendo eu mesma, ou muitas, mas nada além de mim.Tenho uma mente confusa, pertubada, mas eu me desdobro me destrincho e no fim consigo me salvar de mim mesma.Eu sou uma confusão total que um dia vai ter que parar.

-beijomeliga ;*

11 comentários:

Talita Confusão! disse...

Na minha fase promíscua e burrinha:


-caguei sangue!


lírios.

Lo. disse...

Li duas vezes. Isso deve significar alguma coisa.

:)

Helen O. disse...

"Que nada, eu sei que limites não tenho.O que tenho é pouco, mas suficiente pra às vezes me controlar"

Só me pergunto se nesse "as vezes" não teria valido a pena...
Se a razão nos permitisse arriscar mais, provar mais e deixar-se consumir pelo desejar e pelo querer...

Isso de fingir, tão meu, tão teu.
Mas para almas intensas a não satisfação de hoje é apenas o que nos impulsiona para o amanha.

Por isso, Reinvente a Escolha.

Besos, flor =*

Pri Castro disse...

Nossa paixão forte e sei que estais abalada... enfim... vive, ou talvez não, sente ou talvez não, mas uma coisa eu tenho certeza pensa, pensa muito antes de tudo e segue em frente de acorodo com tuas decisões.

TE AMO E MUITO.

Jaya disse...

Todo paraíso o é. [Se é que existe, de fato].

Adoro quando você escreve assim, sabe? É como se tudo se embolasse dentro da tua cabeça e você fosse soltando em palavras de um jeito que a gente consegue sentir exatamente teus lados.

Lindo, lindo!

- beijonãoteligoqueeutôsemcrédito.

Willian Lins disse...

As vezes é bom ser confusão, na dosagem certa, sempre.

Matheus N. disse...

e tem um desespero tão gostoso subentendido ali.. não exagerado, é leve quase não-desespero... mas é
que eu daria tudo pra te ver desesperando com essas suas multidões

tão confusa essa sua doçura, menina
que te peço, não me adoça não

flores em, pra, você :*

Jéssica, a antropofágica disse...

Ah, minha flor, o problema é que ainda não viveste o bastante para saber que a ausência de limites não é prejudicial. Prejudicial é até onde esse limite vai...

Beijos

disse...

Foi lindo isso.
E tá linda aquela parada do LH ali em cima.. fiquei minutos olhando pra lá... haha


paixão é fogo!

Jaya disse...

E aí, véi? Belê?

Hoho.

Sumidíssima

Bê Matos disse...

Coisa linda de morrer, menina. :)

Ah, suas palavras me encantam.
Brigada pelo carinho lá no blog, adoro os seus comentário. *o*

Beijão :*